O Mapinguari é a descrição popular de um ser mitológico, assustador e misterioso, da floresta amazônica. Mas antes uma lenda indígena amazônica, o que sabemos mais sobre? Recentemente, uma nova teoria está ganhando força: o Mapinguari seria ser o último sobrevivente da preguiças-terrícolas, ou preguiças-gigantes, um grupo de mamíferos pré-históricos que habitaram as Américas no período Oligoceno.

Os índios da etnia Cários da floresta tropical brasileira conhecem muito bem o Mapinguari, também conhecido como “Juma”. Segundo a lenda indígena amazônica, o monstro vive em cavernas dentro mata, em uma região específica. As tribos locais que afirmaram supostas aparições da criatura geralmente são a 2.300 quilômetros da foz do Rio Amazonas e distantes de qualquer civilização.

A Lenda Indígena Amazônica do Mapinguari

Alguns dizem ser uma criatura monstruosa, com aparência humana mesmo sendo completamente peludo e com tamanhos desproporcionais à um humanoide. Segundo conta os indígenas mais antigos, ele também se aparece como um ciclope, com um único olho na testa.

Lenda Indígena Amazônica
Representação Artística de Diego de la Rosa – The Mapinguari – diegodelarosa.artstation.com

Segundo diz a lenda indígena amazônica, o Mapinguari é frequentemente descrito com uma boca aberta no estômago, e outros descrevem ele como uma besta gigantesca, como um Megatério – um representante do gênero extinto de preguiças gigantes.

Mapinguari e a preguiça-gigante

Com os fósseis descobertos na América do Sul, as preguiças-terrícolas ou preguiças-gigantes viveram há cerca de 11.000 anos e são consideradas extintas no final da última era do gelo, há cerca de 10.000 anos. No entanto, registros fósseis mostram que esses animais abitaram uma extensa área da Amazônia à America Central.

Lendas da Amazônia
Representação Gráfica da Preguiça Gigante

Mas, será que a preguiça gigante sobrevive ainda em algum canto remoto da Amazônia? O período e o porquê esses animais foram extintos ainda não está clara. “Presume-se” que a mudança climática aconteceu rápido demais para as preguiças-gigantes, mas ainda é incerto.

No Rastro do Gigante

David Oren, biólogo norte-americano, e o brasileiro Ilton DaSilva, biólogo e ex-pesquisador do Museu Emílio Goeldi de Belém debruçaram sobre essa lenda indígena amazônica, confirmaram que algumas das preguiças-gigantes da Idade do Gelo sobreviveram na floresta amazônica. Os biólogos examinaram pegadas encontradas pelos índios Cários e concluíram que o Mapinguari pode ser na verdade uma preguiça-gigante extinta.

Preguiça da Amazônia
Fósseis da preguiça-Gigante

Há milhares de anos, as preguiças-gigantes também povoavam a Floresta Amazônia, e seus fósseis foram encontrados justamente onde ainda existe relatos que foram vistas. Uma das evidências mais importantes é que as pegadas encontradas pelos Cários correspondem à pegadas fossilizadas dos fósseis das preguiças-gigantes.

Armadura à prova de balas

Repetidamente os índios Cários ainda relatam ataques de Mapinguaris, e segundo lenda indígena amazônica, as balas de seus rifles não penetram a pele da criatura, tendo ela uma camada especial. O Museu Britânico em Londres abriga uma pele de 11.000 anos de uma preguiça-gigante junto com pedaços de ossos do tamanho de pedregulhos que estão incrustados na grossa camada de pele.

Lenda indígena Mapínguari ou preguiça?
Pele de 11.000 anos de uma preguiça-gigante

As expedições devem criar clareza

As expedições à região amazônica costumam ser assustadoras para os pesquisadores de outros países, porque durante a noite se escutam uma variedades de ruídos e gritos que ecoam pela floresta. Os líderes indígenas atribuem um desses gritos ao Mapinguari. A criatura agora está causando “frenesi” no mundo científico levantando a questão: Deveria realmente haver uma criatura da Idade do Gelo nas florestas tropicais da Amazônia?

Preguiça Pré-histórica
Representação Gráfica da Preguiça Gigante

Várias expedições estão planejadas para rastrear o suposto animal. No entanto, a grande dificuldade são os hábitos noturnos do animal e a vasta área de 6,5 milhões de quilômetros quadrados de mata fechada pouco explorada.

Sobreviventes da Era do Gelo

Se a preguiça-gigante conseguiu sobrevier, o que mais podemos encontrar dessa lenda indígena amazônica? Será que eles foram os únicos sobreviventes da mudança climática? Ou outros dinossauros foram capazes de sobreviver mesmo em condições climáticas adversas?

Constantemente são achados nas costas das praias figuras anteriormente lendárias, ou intitulados como monstros marinhos, animais gigantescos às vezes deformados, que não se parecem com nenhuma espécie conhecida. Será que estes animais sobrevieram de um longo tempo atrás?

Muitos mistérios ainda existem no imaginário ou, ainda não foram revelados em nosso país, como é o caso da Serra do Roncador ou do Mistério da Pedra da Gávea, entre outros. Além de intrigar, aguça ainda mais nossa vontade de descobrir a verdadeira história destes lugares, e talvez, em um futuro próximo, tudo será colocado em seus devidos lugares na história.

Equipe dedicada a trazer o melhor dos assuntos incrivelmente insólitos para os leitores. Equipe especializada em pesquisa e divulgação de informações que normalmente não é publicada nas mídias tradicionais.